topociclo01.jpg

Palestras

Isaura Botelho2.png

Dia 21/10

Horário - 19h00

 

Palestra de abertura com Isaura Botelho (SP)

Tema - As dimensões da cultura, os desafios para as políticas culturais e para os públicos da cultura.

A definição de cultura da UNESCO, disseminada a partir de 1982 no México, trouxe grandes desafios para a formulação de políticas culturais nacionais. Pensar nas dimensões da cultura implicadas nesta definição elucida o campo que os gestores precisam manejar e tem repercussões em suas relações com os públicos da cultura.

Sobre Isaura Botelho - Formada em Literaturas Vernáculas pela Faculdade de Letras da UFRJ, com Mestrado em Comunicação na UFRJ, doutorado em Ação Cultural na Escola de Comunicações e Artes da USP.. Trabalhou na Funarte entre 1978 e 1996, tendo chefiado a Assessoria Técnica da direção executiva no período de 1982 a 1985. Acompanhou de perto a criação do Ministério da Cultura e participou de seus quadros, a partir de 1985. Em 1991, participa, em Paris, de um programa conjunto do Ministério da Cultura da França e da Faculdade de Direito e Ciências Políticas da Universidade da Borgonha, obtendo um Diplôme d Études Supérieures Spécialisées (DESS) com tese sobre o mecenato na França. Em 1992, assume a coordenação do escritório da Funarte em São Paulo até 1995. Em 1996, terminou. Depois de dirigir o Centro de Estudos da América Latina do Memorial da América Latina em São Paulo de 2001 a 2003 quando volta ao Ministério da Cultura, coordenando a organização do setor de pesquisas e planejamento da Secretaria de Políticas Culturais deste ministério, até julho de 2005. Tem publicado artigos sobre política cultural em revistas especializadas e participado de livros; organizou, em parceria com José Álvaro Moisés, o livro Modelos de financiamento da cultura (Minc-Funarte, 1997); publicou Romance de Formação: Funarte e Política Cultural 1976-1990 e tem ministrado cursos em diferentes instituições nacionais e do exterior, bem como prestado consultoria a instituições. Coordenou, no Centro de Estudos da Metrópole, em São Paulo, organismo ligado ao CEBRAP Centro Brasileiro de Análise e Planejamento - a pesquisa sobre O Uso do tempo livre e as práticas culturais na Região Metropolitana de São Paulo , além de participar de pesquisas sobre a relação entre cultura e a metrópole. Em 2010, coordenou o grupo de pesquisa em torno do Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso em São Paulo, dentro de uma pesquisa mais geral sobre a economia criativa, conduzido na Fundação do Direito Administrativo FUNDAP. Seu trabalho hoje é principalmente voltado para a prestação de consultoria a instituições como o Ministério da Cultura, Fundação Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, SESC SP, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, nas áreas de formação de gestores e de pesquisa.

Instagram - @botelhoisaura

Facebook - Isaura Botelho

Assista Aqui

Ursula Vidal.png

Dia 22/10

Horário - 19h00

 

Palestra com Úrsula Vidal (PA)

Tema - Participação da sociedade para a construção das políticas culturais

 

Sobre Úrsula Vidal - Jornalista, cineasta e ativista política, filiada à Rede Sustentabilidade. É Liderança Climática do Projeto Climate Reality da Fundação Al Gore. Como Secretária de Cultura do Estado do Pará, coordenou o trabalho de articulação e execução da Lei Aldir Blanc nos estados, quando esteve na presidência do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura, até maio de 2021. Foi candidata à prefeitura de Belém e ao Senado, obtendo mais de 580 mil votos nas eleições de 2018.

Instagram - @ursulavidalpa

Assista Aqui

Romilda1.png

Mediação das Palestras

Romilda Pizani (MS)

Sobre Romilda Pizani - Educadora Social, Coordenadora do Fórum Permanente das Entidades do Movimento Negro MS, Vice presidente do Conselho Estadual de Cultura, Conselheira Municipal dos Direitos do Negro, integrante da diretoria executiva do grupo Tez- Trabalho e Estudos Zumbi, representante Estadual da CONEN- Coordenação Nacional das Entidades Negras, integrante do TGR-Teatral Grupo de Risco.

Ana Morena.png

Oficinas

Dias 23/10 e 24/10

Horário - 09h00 às12h00

Oficina com Ana Morena (RN)

 

Tema - “Caminhos para a criação e sustentabilidade de ações culturais”

Através da troca de experiências e relatos pessoais, serão debatidos assuntos sobre o mercado cultural e projetos culturais com foco em como iniciar e manter vivo um projeto cultural sustentável e sólido.

Sobre Ana Morena - Produtora cultural e baixista. Sócia e idealizadora do Combo Cultural DoSol que há 15 anos envolve estúdio, centro cultural, produtora de vídeo e festival, também é fundadora do Camarones Orquestra Guitarrística, banda que em 2017 comemora 10 anos de frenética atividade. Entre seus principais projetos e realizações estão o Festival DoSol, o Natal Instrumental, a Virada Cultural de Natal, a Incubadora DoSol e o Circuito Cultural Ribeira. Todos os eventos e projetos que idealiza são voltados para a formação de plateia e fortalecimento da cena de música independente brasileira, além de mobilizar aparelhos culturais para que se tornem reais motivadores de transformação social.

Participantes - Até 50 pessoas

Sem Pré-requisito

 

Instagram@ana_morena / @festivaldosol

Site - www.dosol.com.br

Andrea Freire.png

Dias 23/10 e 24/10 (transferido para dias 06/11 e 07/11)

Horário - 14h00 às17h00

Oficina com Andrea Freire (MS)

 

Tema - “Cultura, Resistência e Gestão - ação simbólica, social e mercadológica”

A gestão cultural é um desafio fundamental no presente cenário brasileiro. A oficina vai percorrer os percalços e as belezas de seu significado e práticas nas esferas pública e privada,  e nas experiências de organizações populares, considerando o contexto em que está inserida e relacionando os aspectos de sua estrutura, mediação, criação e fruição e o papel do gestor | produtor, profissional que inspira, pesquisa, propõe, elabora, analisa, planeja, programa, coordena, executa, se relaciona com a sociedade compreendendo a multidimensão da cultura.

Sobre Andrea Freire - Atriz, diretora teatral e produtora cultural com experiência em gestão, privada e pública, elaboração, planejamento, coordenação e execução de projetos culturais, DRT n.º 26759 RJ. Nasceu em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, fronteira do Brasil com o Paraguai, em 1966. Atuou e dirigiu dezenas de peças teatrais; atuou em vídeos institucionais, publicitários, curtas e longas-metragens, entre eles, Os matadores, de Beto Brant (2005) e Cabeça à prêmio, de Marco Ricca (2010). Coordenou e produziu mais de 40 projetos culturais nas áreas de teatro, música, audiovisual e fotografia (1986 a 2016), entre eles o Festival de Inverno de Bonito, Festival América do Sul Pantanal, Temporadas Populares, Mídias Contemporâneas Narrativas Populares, Curso Documentário Campo Grande Meu Amor, SESI Bonecos do Brasil e do Mundo, Festival Internacional de Teatro de Objetos - FITO, Memórias do Futuro – Olhares da Infância Brasileira, IV Semana Internacional de Teatro de Animação do Grupo Sobrevento em São Paulo, IX Mostra Latino Americana de Teatro de São Paulo. Graduada em Interpretação Teatral pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni-Rio - 1989) e pós-graduada em O Cômico e o Moderno pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ - 1992), fundadora da Cia Oficina de Criação Teatral/Pontão de Cultura Guaikuru (1993 – 2013); Professora orientadora da montagem de A Mulher Sem Pecado, de Nélson Rodrigues, nos Curso Sequencial de Artes Cênicas da UNIDERP – Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (2005); Assistente de direção do espetáculo cênico musical Crianceiras, da obra de Manoel de Barros (2012/2013); Consultora do SENAC na elaboração e implementação do Plano do Curso Técnico em Arte Dramática – Campo Grande (2013); Secretária Adjunta de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação do Governo do Mato Grosso do Sul (2015/2016); Presidente da Fundação de Cultura do MS e Presidente do Conselho Estadual de Política Cultural (2016); Parecerista do Fundo de Apoio à Cultura – FAC DF (2017); Diretora artística e produtora executiva do Projeto Santa Casa – 100 anos de solidariedade – um espetáculo teatral (2017). É diretora executiva da Marruá Arte e Cultura (1993 a 2014/ 2017)

Participantes - Até 50 pessoas

Pré-requisito - Ter 18 anos ou mais

Instagram - @marrua.arte.cultura  / @andreaefreire

Facebook - Marruá.Arte.Cultura / andrea.freire

Site - http://www.marruaarteecultura.com.br/